BLAZING WORLD

Science Fiction – Fantasy – Strange – Books – News – Space

“About fiction: reverent reflections on the nature of fiction with irreverent observations on writers, readers & other abuses”, de Wright Morris

Deixe um comentário


 

ABOUT FICTION

 

“Fiction is not the bread of life, nor the wine of life, nor for long the satisfactory thou of life, but it hunger mingles with these hungers and is still there when the others are sated. Man dreams before he eats, after he thirsts, and in order to sleep. Fiction has deep roots, and will not disappear with a change of tools, fashions, or even planets. It provides that link in the chain of awareness that relates man to the urmensch of his subconscious. Fiction was there in the dark of the cave, at the beginning, and it will be there in the ruins at the end, oral, chiseled, or computed. It will, because we can´t help it.”


página 7

“The contemporary writer, fortunately, is less subject to the romantic agony, and follows (D. H.) Lawrence into life rather than (James)Joyce into exile. He is no longer that to write well he must give up living.”

Página 11

“The manner in wich this fiction afirms the world is a mesure of its quality: the manner in wich it rejects the world is a mesure of its fantasy.  Because of the scarcity of novels in the past, the earlier writers of fiction read from the book of life. The modern writer first reads about life in books, and it is fiction that makes him a writer.”

 

Página 12

*Marion Wright Morris (06 de janeiro de 1910 – 25 de abril de 1998) foi um romancista norte-americano, fotógrafo e ensaísta. Ele é conhecido por seus retratos das pessoas e artefactos das Grandes Planícies em palavras e imagens, bem como por experimentar formas narrativas. Wright Morris morreu 25 de Abril de 1998, com a idade de 88 anos.
Morris nasceu em Central City, Nebraska, sua casa de infância está no Registo Nacional de Lugares Históricos. Sua mãe, Grace Osborn Morris, morreu seis dias depois de ele nascer. O seu pai, William Henry Morris, trabalhava para a Union Pacific Railroad. Após a morte de Grace, Wright foi criado por uma ama, até que o seu pai fez uma viagem para Omaha e voltou com uma jovem esposa, Gertrude. Em Menino de Will, Morris afirma, “Gertrude era mais perto da minha idade do que a do meu pai.” Gertrude odiava a vida de uma cidade pequena, mas deram-se maravilhosamente bem com Wright, como eles compartilharam muitos dos mesmos gostos infantis (ambos adoravam jogos, filmes e jelados). Em 1919, a família mudou-se para Omaha, onde residiu até 1924.

Durante esse tempo, Morris passou dois verões na fazenda de seu tio perto de Norfolk, Nebraska. Fotografias da fazenda, bem como os personagens da vida real do tio Harry e tia Clara, aparecem nos livros de Morris.
Morris recebeu inúmeras homenagens, além do National Book Awards pelo The Field of Vision and Plains Song. Foram-lhe concedidas distinções Guggenheim em 1942, 1946 e 1954. Em 1975, ele ganhou o Mari Sandoz Award. Em 1979 recebeu o Western Literature Association’s Distinguished Achievement Award. Em 1981, ele ganhou o Los Angeles Times’ Book Prize Robert Kirsch Award pelo conjunto da obra. Em 1982, um júri composto por membros da Associação de Línguas Modernas seleccionou-o para o Common Wealth Award pelo seu papel no campo da literatura.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s